Cidade favorita dos brasileiros na Flórida, Miami é palco de alguns dos maiores eventos globais dedicados a criptomoedas no mês de abril.

A essa altura, todo mundo que não estava vivendo debaixo de uma pedra nos últimos dez anos, já ouviu falar de criptomoeda. O dinheiro virtual conta com uma legião de entusiastas mundo afora, pessoas que investem milhões na tecnologia blockchain e na criação de uma economia descentralizada. A crescente popularidade do setor pode ser medida pela quantidade de eventos que acontecem somente no mês de abril, em Miami, na Flórida, cidade que pleiteia o título de “capital mundial da criptomoeda”.

A começar pelas duas maiores conferências da área: a CryptoWorldCon, que acontece nos dias 1 e 2 de abril no James L. Knight Center com palestrantes de peso como o “lobo de Wall Street”, Jordan Belfort; e a Bitcoin 2022, que no ano passado reuniu 12 mil pessoas no descolado bairro de Wynwood e, este ano, espera receber 30 mil visitantes no Miami Beach Convention Center, de 6 a 9 de abril.

Miami e Nova York disputam o posto de polo da indústria cripto mundial. O prefeito da Big Apple, Eric Adams, que tomou posse em janeiro, anunciou que converteria seus três primeiros salários em criptomoedas, demonstrando confiança na economia digital. A cidade, porém, ainda não permite que funcionários públicos recebam em cripto e as políticas fiscais do Estado estão empurrando empreendedores do setor para regiões com custos mais baixos de operação.

Francis Suarez, prefeito de Miami: políticas para atrair empreendedores.

Enquanto isso, Miami não só lançou a sua própria moeda virtual, a MiamiCoin, em agosto do ano passado, como anunciou que vai direcionar os dividendos para seus residentes. Segundo o prefeito Francis Suarez, o plano inclui pagar funcionários públicos e arrecadar impostos via blockchain. “Estamos nos concentrando em diferenciar nossa economia criando uma nova onda de produtos tecnológicos que incentivará as pessoas a se mudarem para Miami e fazerem parte de nosso ecossistema de tecnologia”, declarou. 

A estratégia vem atraindo companhias como a Blockchain.com, que deixou Nova York no ano passado para se estabelecer no centro de Miami. “A cidade é uma ponte para a América Latina e, mais importante, um dos lugares mais excitantes do mundo em criptomoedas no momento”, justificou Peter Smith, CEO da empresa. A companhia é a principal patrocinadora do eMerge Americas, evento que discute soluções para integrar o continente americano através de novas tecnologias. O seminário faz parte da Miami Tech Week, que acontece de 17 a 24 de abril no Miami Beach Convention Center.

Além de se estabelecer como a meca da cripto, Miami aproveita a oportunidade para fazer jus ao título de “cidade com melhor vida noturna nos Estados Unidos”. Daí que a Bitcoin 2022 terá seu encerramento marcado pelo Sound Money Fest, primeiro festival de música em suporte ao bitcoin, com Logic, Run the Jewels, Steve Aoki, Tokimonsta e muitos outros. 

CryptoWorldCon encerra com festa no maior navio de operação comercial na Intercoastal Waterway.

Já o CryptoWorldCon optou por uma festa no maior navio de operação comercial na Intercoastal Waterway, o The Vessel Sea Fair Yacht, sábado, 2 de abril. “Essa é uma comunidade jovem e vibrante e estamos aproveitando essa energia, que combina com o estilo de vida de Miami, para criar cultura em volta do blockchain e estimular empreendedores”, afirmou o prefeito Suarez.

Author